31 agosto 2017

Especial - Cisne Negro


Eaí galera, aqui é o Gustavo do canal A Cantina de Star Wars.

"Clássico" é uma palavra ampla e cheia de definições, ao pensar em "clássico" pensamos em coisas antigas, mas segundo uma das definições do Google, "clássico" pode ser "que serve como modelo ou referência; exemplar." e um diretor que tem o poder de transformar obras atuais em clássicos é Darren Aronofsky, responsável por filmes como Réquiem Para Um Sonho (2000) e O Lutador (2008), mas seu magnum opus com certeza foi Cisne Negro (2010).

Mas antes de ir para a crítica, que tal dar uma olhadinha no novo vídeo do canal? 




O filme conta a história de Nina (Natalie Portman), uma bailarina perfeccionista que começar a disputar um papel na apresentação O Lago dos Cisnes, onde ela se encaixaria como o frágil e doce Cisne Branco, mas não como o misterioso e sensual Cisne Negro, e o diretor Thomas Leroy (Vincent Cassel) procura por uma bailarina capaz de interpretar os dois. Então Nina tenta provar para Thomas que ela era capaz de fazer o papel, ela começa uma obsessiva busca pela perfeição e a pressão excessiva faz com que ela perca o senso de realidade caindo numa vida de luxúria e acessos de raiva, entrando em conflito com suas companheiras de balé, com sua mãe super-protetora e com si mesma.


A direção é impecável, o filme faz uma mistura de realidade e alucinações capaz de confundir quem assiste, mas é o que torna a história intrigante, o filme é um drama misturado com terror psicológico, ele retrata por meio de metáforas a pressão que artistas passam para alcançar a tão desejada perfeição. A montagem do filme é sensacional, o contraste entre a realidade e o que se passa na cabeça de Nina é o ponto alto do filme, principalmente na cena da boate, onde em um curto espaço de tempo mostra todas as perturbações da personagem com ótimo jogo de luz, cores e efeitos visuais. E levando em consideração o baixo orçamento que o filme teve, os efeitos especiais são fantásticos.

A fotografia e os enquadramentos são simplesmente lindos, algumas técnicas de filmagem foram usadas para incrementar a tensão que o filme passa. A parte técnica desse filme é uma aula de cinema, o filme foi indicado para o Oscar de melhor filme, melhor diretor, melhor edição e melhor fotografia, mas o única estatueta que o filme levou foi para Natalie Portman como melhor atriz, é de longe o melhor trabalho de Natalie, uma atriz que é 8 ou 80, ou atua muito bem, como em Closer (2004) e V de Vingança (2006), ou atua muito mal, como em qualquer filme do Star Wars ou do Thor.


Cisne Negro é um dos poucos filmes de terror que foi indicado ao Oscar de melhor filme, junto com O Exorcista (1973), Tubarão (1975), O Silêncio dos Inocentes (1991) e O Sexto Sentido (1999), mas ao contrário do que se pensa por terror, a proposta do filme não é aterrorizar quem assiste, mas sim passar para quem assiste o terror que a personagem principal passava. Esse filme está na minha lista de 52 filmes em 52 semanas, por mais que eu tenha gostado desse filme, é aquele tipo de filme que eu assistiria só uma vez, duvido muito que eu voltarei a vê-lo, devido ao fato que o filme me encantou mais na parte técnica do que pela história, que também é muito boa, mas a tensão que ela passa só funciona uma vez, depois que sabe o final o filme perde um pouco a graça.

Como disse no começo do texto, clássicos não são apenas coisas velhas, esse recente filme se tornou um clássico do cinema moderno e uma referência para produções com a intenção de chocar o espectador. Você já assistiu Cisne Negro? Qual foi sua impressão sobre o filme? Deixe um comentário!

Cisne Negro (Black Swan, 2010)
Direção: Darren Aronofsky
Elenco: Natalie Portman, Vincent Cassel, Mila Kunis, Barbara Hershey e Winona Ryder.

Nota: ⭐⭐⭐⭐

Nenhum comentário:

Postar um comentário